domingo, 5 de fevereiro de 2017

O Mistério da Graça

Não costumo colocar aqui no Blog os e-mails que recebo, mas achei a dúvida abaixo bastante interessante e acho que a resposta que dei pode ajudar outras pessoas.

---------- Mensagem encaminhada ----------
From: xxxxx <xxxxxxxxx@gmail.com>
To: fundamentosdoevangelho@hotmail.com
Cc:
Date: Wed, 1 Feb 2017 02:05:18 -0200
Subject: Thiago, me tira uma dúvida.

Olá, Thiago! A paz!

Estou lendo seu blog e o considero muito lúcido e coerente.

Tenho uma pergunta sobre o texto Doutrina da Concessão.

Vc escreveu:

"Jesus traz a lume a situação de 1 Samuel 21, onde é dito que quando Davi estava fugindo juntamente com o seu bando da perseguição feroz feita por Saul, precisou parar para pedir comida ao sacerdote Aimeleque. Esse, por não ter pão comum, deu-lhes pão sagrado, que conforme o mandamento da Lei de Moisés só poderia ser comido por sacerdotes (cf. Lv 24.9). Usando essa situação como exemplo, Jesus justifica que *caso não haja outra opção viável*, leis podem ser quebradas para que a vida do indivíduo seja preservada, desde que isso não traga danos a outrem.

Jesus explicou que isso ocorre porque qualquer lei que exista, existe com o único objetivo de beneficiar e preservar o homem. Quando o homem precisa morrer para cumpri-la, a lei se des-significa e perde seu objetivo principal de preservação. A lei existe por causa do homem, e não o homem por causa da lei (cf. Mc 2.27)."

Diante desse raciocínio... Por que Uzá morreu ao tocar a Arca? A vida não teria que ser preservada segundo o argumento acima?

Davi foi preservado da morte por erros inclusive intencionais, enquanto Uzá morreu quanto a possível boa intenção em não deixar a Arca cair.

Creio que Deus não faz acepção de pessoas, mas nesse caso ele poderia estar mais preocupado com seu intentos e propósitos do que com a preservação da vida humana?

Acredito que esse tema faria vc escrever mais um texto no seu blog. rs

Um abraço e agradeço sua atenção.

_____________________________________________________


Amado, graça e paz!

Antes de qualquer coisa, para que você entenda melhor sobre as leis do antigo testamento, peço que leia dois textos que considero bastante importantes: 1) "Por que a lei foi dada??" e 2) "A Progressão da Revelação em Jesus". Ambos podem ser encontrados em meu Blog.

Se ler os textos que recomendei, vai entender que no A.T as leis cerimoniais tinham o objetivo de revelar a majestade de Deus, mas tinham seu cumprimento em Jesus. Assim, essas leis não tinham necessariamente o objetivo de preservação da vida humana.

Agora, vamos ao que você perguntou: por que alguns recebem a sentença contida na Lei e outros não?

Nadabe e Abiú, filhos de Arão, ofereceram fogo estranho e foram mortos pelo Senhor. Uzá tocou a arca e morreu imediatamente. No entanto, Davi comeu pães da proposição, adulterou, matou o marido, e nada lhe aconteceu. Por que isso? 

Só há uma resposta para a sua pergunta: graça! Veja o que Davi escreve: "Bem-aventurado o homem a quem o SENHOR não atribui iniqüidade e em cujo espírito não há dolo." (Salmos 32.2).

Existe um tipo de gente na Terra a quem Deus não atribui iniquidade, por mais que ela venha a acontecer. Davi era um homem segundo o coração de Deus, e Deus sabia as intenções de Davi. Deus sabia que ele comia os pães da proposição quando isso era sua única saída para não morrer de fome, mas também sabia quando ele adulterava por pura carnalidade humana. Davi é um retrato meu e seu, um retrado do povo redimido de Deus!

A única explicação que eu posso ter para que essa mesma graça não tenha alcançado os outros é o fato de eles não quererem ser participantes dessa graça. A intenção do coração deles nunca foi agradar a Deus.

Veja, Nadabe e Abiú cometeram uma infração no serviço do sacerdócio por agirem relaxadamente. A questão não era prioritariamente o fogo estranho que eles haviam apresentado, e sim a intenção do coração, que demonstrava uma falta de fé ao que Deus ordenara. Por outro lado, Jesus disse que os sacerdotes violavam o sábado para cumprir seus serviços no templo e ficavam impunes (cf. Mt 12.5). Olhe o abismo de diferença na intenção contida nos dois casos!

Existem também situações em que o crente deslisa, e age deliberadamente com intenção ruim no coração. Isso aconteceu com Davi no caso de Bate-Seba. No entanto, Deus conhece os que lhe pertencem e sabia que Davi tinha um coração arrependido e transformado. Por isso perdoou sua iniquidade. No entanto, não o livrou das terríveis consequências que suas atitudes trouxeram.

Meu irmão, assim somos nós! Nosso coração transformado quer sempre agradar a Deus, mas vez ou outra deslizamos. Deus, todavia, nos fala de forma semelhante ao que o profeta Natã falou a Davi: "teu pecado já foi perdoado antes da fundação do mundo". No entanto, embora perdoados, colheremos todas as consequências ruins dos nossos pecados no decorrer da nossa vida.

Por outro lado, sempre existirão no meio da congregação Nadabes, Abiús e Uzás. A esses, Deus agirá conforme quiser. Alguns morrerão cedo para servir de exemplo, como foi o caso dos três citados, outros viverão muito tempo conforme outros personagens perversamente anônimos da história de Israel.

De fato, meu irmão, você está certo. Deus não faz acepção de pessoas. Sempre estará aberto a todos os que quiserem se chegar a Ele. O problema é que os Nadabes, Abiús e Uzás nunca querem se chegar a Deus sinceramente. À esses Deus atribui iniquidade. Quanto a nós, que somos salvos, ele a joga nos ombros do seu Filho.

Atenciosamente,
Equipe Fundamentos do Evangelho


Nenhum comentário:

Postar um comentário