sexta-feira, 8 de junho de 2018

Sobre a Existência do Inferno


É muito difícil elaborar um ensino sobre o inferno porque a Bíblia fala muito pouco sobre ele de forma clara. Nem mesmo os primeiros estudiosos da igreja entravam em consenso quanto a esse assunto: Justino Mártir, Clemente de Alexandria, Tertuliano e Cipriano estavam entre aqueles que consideravam que o inferno era um lugar literal de tormento ardente. Orígenes e Gregório de Níssa discordavam, dizendo que o inferno era simplesmente a separação de Deus.

quinta-feira, 10 de maio de 2018

Sexo antes do casamento


Antes de entrar propriamente no tema “sexo antes do casamento” é necessário que você entenda o que é casamento, para isso sugiro a leitura do meu texto Casamento & Divórcio.

Agora que você leu o texto recomendado, vamos iniciar falando sobre namoro. O termo namoro é moderno, não existe na Bíblia. Nós entendemos namoro como um meio termo entre amizade e casamento, uma espécie de etapa de experimentação em que se verifica se aquela pessoa é realmente quem você quer passar o restante da sua vida.

O grande dilema é entender até onde pode ir a intimidade dos casais dentro desse “meio termo” que é o namoro.

No texto sobre casamento que você leu, descobriu que o ato sexual é um selo da decisão de permanecer juntos para sempre. Porém, se o sexo for praticado antes da decisão ser firmada, isto é, ainda na etapa de namoro, seria isso um pecado?

Para descobrir isso, resolvi passear pelos principais Blogs cristãos e analisar quais os versículos são usados para defender essa ideia. Abaixo seguem os versículos mais usados:

quarta-feira, 4 de abril de 2018

[Pregação] - O Sentido da Páscoa em Nós

A obra de Cristo, que é a nossa páscoa, traz títulos para os que creem, bem como responsabilidades. Entenda como encarnar a páscoa dia a dia em sua vida:

"Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, a fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a sua maravilhosa luz" (1 Pedro 2.9)

quarta-feira, 14 de março de 2018

Deus matava criancinhas?


No Antigo Testamento podemos ver alguns relatos em que Deus manda que Israel dizime nações inteiras, o que incluía as crianças dessas nações inimigas. Acontece que quando se pensa na ideia de um Deus que mata crianças já se parte do princípio que essa atitude de Deus é algo ruim. No entanto, é preciso entender que em cada indivíduo Deus tem um propósito único, razão pela qual não se pode ter uma filosofia do bem e do mal universal, posto que não sabemos nada sobre Deus e sua relação com um homem em específico; e, ainda, não teríamos como saber de modo algum, posto que a relação de Deus com os indivíduos é pessoal, e os aplicativos do Seu amor, muitas vezes, colhem inocentes em calamidades ou estendem sua misericórdia aos perversos, visto que para Deus, a morte não é o que a morte é para nós.

        Para nós, nada há pior do que morrer. Para Deus, muitas vezes, nada há pior do que existir na Terra. Isto porque muitas dessas culturas que foram dizimadas por Deus no Antigo Testamento o foram justamente por conta do excessivo pecado e, em especial, da forma como tratavam a própria prole, fazendo rituais macabros e dolorosos, que findavam por sacrificar suas crianças aos seus deuses depois de toda a tortura praticada. Isso pode ser percebido quando Deus ordena que Israel não pratique as mesmas obras perversas feitas pelas nações que seriam desterradas por eles em Canaã: “Não farás assim ao SENHOR, teu Deus, porque tudo o que é abominável ao SENHOR e que ele odeia fizeram eles a seus deuses, pois até seus filhos e suas filhas queimaram aos seus deuses. (Deuteronômio 12.31).

Deus não destrói uma nação sem que a mesma não tenha dado graves motivos para que Ele faça isso. Ele prefere dar tempo para que a mesma reveja seus atos, pois “é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento.” (2 Pedro 3.9).

Um grande exemplo da longanimidade de Deus foi o tempo em que ele esperou para que começasse o processo de expulsão dos povos de Canaã. Quando Abraão perguntou a Deus quando sucederia o recebimento da promessa da Terra prometida, Deus respondeu: “Sabe, com certeza, que a tua posteridade será peregrina em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos. Mas também eu julgarei a gente a que têm de sujeitar-se; e depois sairão com grandes riquezas. E tu irás para os teus pais em paz; serás sepultado em ditosa velhice. Na quarta geração, tornarão para aqui; porque não se encheu ainda a medida da iniqüidade dos amorreus.” (Gênesis 15.13-16).

O entendimento do versículo em negrito é fundamental. O motivo pelo qual teria de se esperar quatrocentos anos era “porque não havia se enchido ainda a medida da iniquidade dos amorreus”. Ou seja, Deus sabia que seria injusto da parte dele atacar os amorreus naquele momento, visto que a medida dos pecados deles ainda não justificava tal atitude. Por isso, Deus deu tempo para que eles se arrependessem.

No entanto, quatrocentos anos depois eles chegaram ao limite de pecaminosidade que uma nação pode chegar, pois começaram a sacrificar os próprios filhos aos seus deuses nos rituais macabros que citei no começo desse texto. Acredito que esse é um dos principais sinais de que não há mais possibilidade de retorno de uma sociedade, posto terem chegado ao limite de sacrificar aos que mais deveriam amar. Assim, a consciência daquele povo chegou num nível em que eles mesmos se cegaram completamente para o Deus verdadeiro. Portanto, só restava a Deus agir com seu amor na forma de ira. Ele não é sádico e não fazia isso com alegria, mas não era viável ver inocentes morrendo constantemente sem agir.

Mesmo após os embates terem começado na Terra de Canaã, vimos que ele foi misericordioso e aceitou os que vinham arrependidos, ainda que pouco tempo antes da batalha. Aos que se arrependeram, ele poupou, tanto a nível pessoal quanto ao nível de toda uma nação. Um exemplo é o caso de Raabe, que foi salva juntamente com sua família por conta do seu arrependimento em fé, enquanto toda a Jericó foi invadida e destruída. E o exemplo de um povo inteiro que foi poupado foram os gibeonitas, também movidos por arrependimento em fé.

Dessa forma, vemos que Deus prioriza a misericórdia e age em amor em todos os momentos. Até sua ira, quando realmente tem de agir com ira, o faz por amor. O problema é que alguns homens pedrados são incapazes de perceber o amor de Deus e preferem vê-lo como alguém cruel.

Não nego que existem muitas situações complexas e de difícil entendimento na Bíblia e na nossa vida, mas quando se entende pela fé que Deus é amor, nossa mente se abre e não conseguimos ver algo diferente de amor no agir de Deus, até mesmo quando esse agir é contrário ao que desejamos, ou quando é diferente daquilo que esperamos. Portanto, antes de tentar entender Deus e o seu misterioso agir, creia que ele é, fazendo isso, tudo o mais se esclarecerá.